Bolhaverso

Reader

pt-br

Leia os posts do bolha.blog.

en-us

Read all posts from our users.

from gutocarvalho

Now we have an asciinema inside our bolhaverso, more info at https://bolha.io.

Here one example of HTML embed

<a href="https://asciinema.bolha.tools/a/5" target="_blank"><img src="https://asciinema.bolha.tools/a/5.svg" /></a>

Here one example of markdown embed

[![asciicast](https://asciinema.bolha.tools/a/5.svg)](https://asciinema.bolha.tools/a/5)

asciicast

Here with the player embeded

<script src="https://asciinema.bolha.tools/a/5.js" id="asciicast-5" async="true"></script>

:)

 
Read more...

from jackson

“A pintura é poesia muda; a poesia, pintura cega.” Leonardo da Vinci.

Por que quem escreve códigos (pessoas programadoras) também deveriam escrever poemas?

Resposta curta.

Porque, em certa medida e em relação à criatividade, os primeiros nos limitam, enquanto os segundos nos estimulam.

Resposta longa.

Códigos são conjuntos reduzidos de instruções que damos aos processadores. Poemas são materializações atemporais e n-dimensionais da poesia no texto escrito ou oral. Lembrando, poesia é aquele sussurro rítmico que nos sopra o espírito e se manifesta através das artes (plásticas, cênicas, literárias, musicais…). Os primeiros são construções humanas, a segunda (dizem), revelação divina.

Poemas, então, são bloquinhos leves de textos escritos (e declamados), semanticamente saturados de imagens poéticas voláteis, como fótons borboletas voando despreocupadas próximos a discos de acreção das singularidades cósmicas; por isso, no poema, também são possíveis divisões por zeros.

Assim como a gravidade é o efeito da distorção de corpos massivos no tecido espaço-tempo, o discurso poético é o efeito de sentidos nos espíritos dotados de linguagem.

Um poema relido jamais replica os mesmos efeitos da primeira leitura, nunca! O poema é o mesmo, enquanto materialidade textual, a leitura não. As variáveis tempo e subjetividades se transpassam em sentimentos diversos, como partículas colidindo em aceleradores, decaindo em outras sensações, novas e fundamentais.

E da mesma forma que as partículas ganham massa nas interações com o campo de Higgs, cada (re)leitura de um mesmo poema fornece imagens (e altera o estado de consciência) na realidade de quem o lê (se assim o permitir, claro).

Em contraste, o código de computador, apesar das refatorações (diversas possibilidades de arranjos de suas variáveis), ainda assim, sempre dará um mesmo e esperado resultado. A constante faz parte de sua natureza, enquanto objeto virtual e rascunho de simulacro da realidade que tenta representar.

O processador binário, apesar de incrivelmente rápido, não possui aquele “sussurro inspirador”, nem se expande como uma mente antes de inalar (e às vezes, quase se afogar) o momento da criação (incluindo a literária). O processador trava em seus processamentos e a IA (inteligência artificial) até alucina. Mas apenas um cérebro orgânico se contrai e se dilata a cada sentimento, o pulso do amor razão (aquela ilusão vinda do coração).

Neste sentido, até as alucinações da IA orgânica (indivíduo atormentado) servem de matéria-prima para a escrita, literária e poética. Podemos escrever poemas com códigos (e vice-versa) e podemos ensinar a IA gerativa a copiar nosso jeito de escrever códigos com poemas (e vice-versa), mas apenas o jeito… porque programar também pode ser uma atividade artística, mas a atividade artística… entendeu né?

Falando em servir, a arte não serve para nada, nem ninguém, nesse sentido capitalista de serviço. Relembrando Ferreira Gullar, “A arte existe porque a vida não basta”, fazemos arte (e poesia) para viver outras vidas. É quase impossível aprender todas as linguagens de programação, mas muito fácil experienciar todas as estórias d'As mil e uma noites…

A linguagem de máquina é isso, uma redução simplória do pensamento humano. Talvez daí a dificuldade de muitos em programar. Como encaixar algo como criatividade em casquinhas de amendoins do tamanho de bits? Se for seu caso, não se sinta menos inteligente por isso; inteligência é qualidade (habilidade que se desenvolve), não quantidade.

Ser bom em qualquer atividade tem a ver com esse esforço consciente de desenvolvimento. O “saber de cor”, do latim/francês, “savoir par coeur”, é uma expressão do tempo em que se acreditava que este órgão comandava a razão, e com sentido de saber automático. Talvez por isso, muitos se sintam perdidos nas “rotas antigas” das novas linguagens e frameworks. Isso mesmo, por enquanto, uma linguagem nova é só um caminho diferente para se chegar num lugar conhecido.

Por isso é importante lembrar, a Ada Lovelace nos abstraiu problemas reais em códigos (virtualização) para a gente viver a vida (realização), não para continuarmos apertadores de botões. A ideia é a liberdade, não a prisão. Atualmente, a alegria da codificação vem mais da percepção da falta do ponto e vírgula após horas ou dias de angústia, do que da real criação do desejado objeto virtual; uma falsa alegria, portanto.

Já a alegria da escrita, literária ou poética, por sua vez, vem da consciência estética e fruição da leitura. O texto final nunca existe, porque é um continuum no espaço-tempo, uma grande conversa de gerações de leitores passadas, presentes (ausentes) e futuras. Daí a necessidade de esticar a mente através da escrita, principalmente a poética.

Porque o pensamento computacional é apenas seguir caminhos rígidos de um mundo (capital) vazio e árido. Pensamento poético, entretanto, é escrever as próprias trilhas da vida, buscando aproveitar o que de melhor for possível, como no poema “Existência”, de Valdelice Soares Pinheiro:

Desenho a mão
que faço
em meu destino,
confuso o pé
que traço
em Meu caminho.

Eu sou
na estranha vertigem
dessa estrada,
meu ponto de partida
e de chegada.
 
Leia mais...

from gutocarvalho

Estão seguros quem usa:

  • OpenBSD
  • Alpine Linux

Não estão seguros

  • Linux (no geral)
  • FreeBSD

E o Debian?

Do bookwork (12) pra frente, tem que que atualizar, do bookworm pra trás tá de boa.

E o Ubuntu?

Do 22.04 pra frente tem que atualizar.

E o AlmaLinux?

Tem que atualizar o 9.x.

Quais versões do openssh são vulneráveis?

Todas antes da 4.4.x, referente ao bug inicialmente encontrado em 2006.

Da 4.4.x até 8.4x tá tudo certo, foi corrigido pelo projeto.

O bug voltou (regresshion) da 8.5p1 e seguiu ativo até a 9.7p1.

A versão, 9.8p1, que foi lançada no dia 01/Jul/2024, não é afetada pelo bug. 

Refs

Valeu Qualys pelo reporte.

https://blog.qualys.com/vulnerabilities-threat-research/2024/07/01/regresshion-remote-unauthenticated-code-execution-vulnerability-in-openssh-server

[s] Guto

 
Read more...

from Ler Todos os Mangás do Mundo

17-21Bem, Tatsuki Fujimoto se tornou um dos meus mangákas favoritos nos últimos tempos. Essas coletâneas reúnem os one-shot escritos pelo autor, a primeira do ano de 2017 até 2021 e a segunda de 2022 até 2026. Enquanto escrevo esse texto, percebo que ainda estamos em 2024 (!). Pesquisei agora no myanimelist, e as histórias do segundo foram publicadas de 2014 até 2018. O que raios quer dizer 22-26???

Sobre o conteúdo, não tenho muito a dizer. É interessante perceber, durante a leitura, diversos pontos esparços que um dia se tornariam Chainsaw Man. E sempre foi edgy, assim como o edgy que me atrai em CSM. A verdade é que não posso demorar pra escrever no blogue. Eu não lembro de quase nada, principalmente o que não permeia a história de Nayuta.

22-26Mas enfim. Peguei pra reler minha nota antiga sobre CSM e, em retrospecto, discordo totalmente do que escrevi na época, ainda mais acompanhando o mangá nos dias atuais (cap. 155). Escrevi em outubro de 2020, e é uma das poucas postagens que me recordo a data, pois foi a data que estive internado por conta de um pneumotórax (eu nem tenho ideia a data que comecei a realizar o desafio de ler todos os mangás do mundo, mas acho que foi próximo disso).

Passaram 4 anos, e graças a deus eu mudei e continuo mudando. Hoje, por exemplo, tive um dia muito do ruim. Amanhã será péssimo (OSCE de Ginecologia e Obstetrícia, só quem já fez sabe o terror) e os próximos três meses piores ainda (internato rural em Pains – espero gostar, mas sentirei falta da civilização). Mas não deixo ser afetado por isso como eu era antigamente. O post de CSM exala todos os terríveis 15 dias da internação. Não foi um período fácil (afinal, quase-morte), mas hoje reagiria de forma diferente. Muita coisa faria diferente.

A melhor ideia que eu tive foi escrever esse blog. Perceber o quanto mudei é uma das melhores sensações que existem.

 
Leia mais...

from notamental

Aqui vamos mostrar como criar um compartilhamento no VMWARE Fusion do Mac, e como montar no Linux.

No Host (VMWARE Fusion)

Vá em VMWARE/Settings/Sharing

No meu caso, eu criei um um compartilhamento como nome gutocarvalho que aponta para

/Users/gutocarvalho

No Ubuntu (Guest)

instale o open-vm-tools e reinicie a VM

apt update && apt install open-vm-tools -y
reboot

quando a vm voltar, crie o diretório para montar

cd  ~/Desktop
mkdir MacOs

agora vamos montar

vmhgfs-fuse .host:/gutocarvalho /home/gutocarvalho/Desktop/MacOs -o subtype=vmhgfs-fuse 

fixando a configuração no /etc/fstab

.host:/gutocarvalho    /home/gutocarvalho/Desktop/MacOs       fuse.vmhgfs-fuse    defaults   0    0

Pronto!

referências

 
Read more...

from Ler Todos os Mangás do Mundo

sandlandBem, não tive coragem de aparecer por aqui desde o início do ano, que foi quando li este título. Planejava fazer um post conjunto de SandLand e os capítulos curtos de Tatsuki Fujimoto, porém, imediatamente após eu terminar o primeiro, veio a notícia da morte de Toriyama.

Foi como um soco no estômago. Passei dias e dias pensando em como a obra dele mudou minha vida. Acho que, quase 6 meses depois, só agora me sinto confortável em falar sobre.

Eu, assim como milhares de crianças brasileiras, tive o primeiro contato com o mundo dos animes por meio de Dragon Ball Z. E, como todo otaku rebelde, passei a odiar a obra. Foi então em algum momento que não lembro ao certo a data específica, mas durante a fase mais tenebrosa da minha vida, que o Guilherme sugeriu que a gente lesse o mangá. Numa primeira reação, disse que só leria o DB inicial, por odiar tudo que o anime “Z” adaptava.

Pois bem, paguei minha língua. Não consegui parar e li os 42 volumes de DB em menos de um mês. Na fase da minha vida que eu não tinha concentração pra absolutamente nada e saúde mental nem para levantar da cama. Me questionei – odeio mesmo Dragon Ball? Não tinha motivo para tal, não tinha razão. Era só um ódio adolescente.

Me fez encarar de forma completamente diferente tudo que comecei a consumir depois dessa data. Não só isso, mudou minha forma de ver tudo o que acontecia na minha vida. Foi um ponto de virada, não digo que melhorei desde então, pois aconteceram muitas e muitas recaídas, mas foi o primeiro momento que percebi que tinha que mudar.

Fiquei muito feliz em ler SandLand depois de tanto tempo sem contato com o Toriyama e de lembrar de tudo isso. A coincidência de ler logo antes dele morrer (seria muito presunçoso da minha parte dizer que foi um presságio, apesar de ter vontade de falar) só aumentou a dor que senti com a partida do autor.

Agora consigo dizer, descanse em paz. Obrigado por tudo.

 
Leia mais...

from Quadrinistas Uni-vos

FIQ À organização,

Nosso coletivo, Quadrinistas Uni-vos, reconhece e valoriza a iniciativa de incentivo à leitura promovida com a ação dos vouchers distribuídos aos estudantes da rede de ensino público. Porém, precisamos destacar que existem falhas na iniciativa que deixam uma parte considerável dos quadrinistas de fora, seja por serem incapazes de aceitar os vouchers devido às suas condições de trabalho, ou mesmo por estarem sujeitos a sofrer prejuízos.

Dos quadrinistas que possuem CNPJ, a maior parte deles é MEI, porém, parcela considerável atuam apenas como pessoas físicas, e mesmo aqueles que portam um MEI não possuem contadores para tirarem dúvidas a respeito de nota fiscal.

Entendemos que, devido a essas questões, os vouchers beneficiam apenas alguns poucos quadrinistas, que conseguem emitir essas notas junto às livrarias que alugam os estandes e que são formalizadas através de um CNPJ como “vendedoras de livros”.

Muitos quadrinistas, por não conseguirem emitir notas de produtos por questões contábeis, acabam recorrendo a terceiros para emiti-las, a fim de conseguir alcançar as crianças e adolescentes visitantes das escolas, um público que dificilmente teria acesso ao seu trabalho de outra forma. Alguns artistas, com o objetivo de atingir o público, aceitam os vouchers e os utilizam em estandes de editoras fazendo compras e gastando um recurso que deveria ajudar a pagar seus custos. Um programa importante de incentivo à leitura não pode deixar de fora uma parte considerável da produção quadrinística brasileira.

Na edição de 2022, ano em que se deu início a essa política de fomento cultural, quadrinistas aceitaram vouchers, e ao entrarem em contato com as escolas para receber, posteriormente ao FIQ, foram ignorados. Essa relação desigual que se deu entre os quadrinistas e algumas das instituições escolares levou a prejuízos financeiros para nossa categoria, já tão precarizada em suas condições de vida e trabalho.

Devido ao que aconteceu em 2022, nesta nova edição do FIQ muitos quadrinistas optaram por não aceitar os vouchers, limitando ainda mais a sua utilização às livrarias, que já faziam muitas vendas dentro do evento. Isso prejudica também o alcance do poder de compra dos estudantes, que não podem adquirir o quadrinho que estão interessados e sim o material de quem aceita os vouchers.

Para que exista uma distribuição mais democrática entre os quadrinistas independentes e as livrarias, o coletivo Quadrinistas Uni-vos sugere (e se coloca à disposição para contribuir nisso) que o evento faça uma intermediação encarregada pela emissão de notas e recebimentos, aos moldes de outras feiras, como a “Feira do livro de Osasco” que acontece no Estado de São Paulo.

Uma outra alternativa sugerida pelo coletivo é a utilização de cartões pré abastecidos com o valor do voucher, exclusivo para utilização entre os artistas e livrarias, possibilitando uma transação menos burocrática e acessível tanto para os beneficiados quanto para os compradores que, por consequência, terão acesso a mais opções de títulos.

Para além dessa sugestão e a fim de profissionalizar o setor, o FIQ pode tornar-se um espaço de aprendizado e avanço, oferecendo cursos gratuitos para os artistas selecionados junto ao SEBRAE, orientando e tirando dúvidas contábeis e fiscais.

Estamos à disposição para um diálogo aberto e construtivo. Juntos, podemos construir um cenário de quadrinhos cada vez mais justo e representativo.

Atenciosamente,

Coletivo Quadrinistas Uni-vos.

 
Leia mais...

from ZeAndarilho

Olá, meu nome é zé, e já tive um blog brevemente no fediverso, escrevi uns 3 posts mas depois desanimei, sei lá. nem sei mais qual era o endereço. Acho que vou voltar a escrever um pouco, sinto falta disso as vezes. Eu escrevi pra alguns blogs por uns anos, mas depois parei, desanimei um pouco. Percalços da vida. Pra quem não me conhece eu sou paranaense, escrevia sobre series, filmes jogos, politica, o que me interessasse no momento. Quando eu era mais novo eu tinha uma energia, uns surtos criativos, me vinha uma certa inspiração que eu produzia sem parar por horas, hoje não consigo mais, mas vou tentar escrever pelo menos um pouco, porque acaba sendo uma terapia pra mim, e eu sinto falta.

 
Leia mais...

from Paulo Henrique Rodrigues Pinheiro

Imagem gerada por IA de um ser gigante que se prepara para golpear um exército, em batalha campal que o cerca, com lanças e escudos.

Nunca perder a razão. Estamos cercados, cansados, famintos, feridos. Eles têm armas, treinamento e apoio. Somos uma massa organizada, somos os que criamos riqueza, somos o futuro que está nascendo. Observar, notar os pontos de falha e, unidos, em uma só força revolucionária, esmagá-los impiedosamente.

 
Leia mais...

from Paulo Henrique Rodrigues Pinheiro

Imagem criada com o Bing Image Creator, usando o texto como prompt e o estico cubista: "Lembro de títulos e autores, de sentimentos em mim despertados. Há imagens que persistem em minha memória, tão sólidas, tão profundas, e ao mesmo tempo nada nítidas. Mais os sentimentos do que as imagens. Mas sou incapaz de discorrer sobre essas obras. Nada, há uma tempestade infinita em minha cabeça, e é essa tempestade e essa incapacidade que me fazem não ter paciência com detalhes, com demoradas descrições. Quando não estou só, quero a essência."

Lembro de títulos e autores, de sentimentos em mim despertados. Há imagens que persistem em minha memória, tão sólidas, tão profundas, e ao mesmo tempo nada nítidas. Mais os sentimentos do que as imagens. Mas sou incapaz de discorrer sobre essas obras. Nada, há uma tempestade infinita em minha cabeça, e é essa tempestade e essa incapacidade que me fazem não ter paciência com detalhes, com demoradas descrições. Quando não estou só, quero a essência.

 
Leia mais...

from bolhaverso

Subimos uma ferramenta anti-paywall

Subimos nosso 13ft, uma ferramenta antipaywall

Subimos nosso Pastebin

Subimos um editor de PDF

Subimos uma ferramenta para manipular arquivos PDF.

Subimos um novo editor de diagramas

Subimos mais um editor de diagramas.

Subimos um concliador de agendas

Subimos o conciliador de agendas cal.com

Subimos novos clientes Mastodon

Subimos ferramentas para mastodon

Esse gera um gráfico de relacionados da sua conta.

Mande seu feedback no mastodon!

[s] @gutocarvalho@bolhas.us

 
Read more...

from bolhaverso

Pessoal,

Além do LibreMDB, liberamos a nossa instância do Asciinema.

Esse projeto é muito legal, ele permite que a gente grave o que está fazendo no terminal e depois suba para a instância, é tipo um peertube só de texto/terminal :)

Veja o exemplo MD

asciicast

Mandem feedbacks via mastodon pra @gutocarvalho@bolha.us ;)

[s] Guto

 
Read more...

from Bem-vindo a FOSS

Bem-vindo a FOSS!

Para quem não gosta de tirar as mãos do teclado encontrará no qutebrowser a melhor opção de navegador. Isso porque ele é extremamente configurável, com diversas opções de integração e personalização. No entanto, ainda possui algumas limitações.

Muitos programadores e usuários que preferem o uso do teclado em detrimento do mouse optam pelo editor Vim. Na medida em que o referido navegador baseou seus comandos e várias funcionalidades neste editor, seus usuários irão se sentir “em casa”, sabendo, de modo bem intuitivo, diversas teclas de atalho. Seu uso básico consiste em pressionar f. Com isso, os links da página serão destacados; então basta pressionar as respectivas letras do link desejado.

qutebrowser-hints

Semelhantemente ao Vim, o qutebrowser permite inúmeras configurações no arquivo config.py, tal qual ocorre no .vimrc. Entre elas, cabe destacar personalizações que permitem um visual minimalista assim como o uso integrado a outros aplicativos, por exemplo: abrir vídeos do Youtube no MPV Player ou utilizar o ranger como gerenciador de arquivos para upload.

Contudo, encontra algumas limitações, como a não abertura de sites como imgur (ao menos na versão 2.5.0, disponível para minha distro, Pop! OS 22.04 LTS). Atualização: em 12/06/2024 confirmei com um usuário de Arch Linux, com versão 3.2.0 do qutebrowser e, nela, está funcionando normalmente. Além disso, não permite a instalação de extensões / add-ons, a despeito de possuir um ótimo ad-blocker nativo e permitir uma configuração de tema escuro similar ao Dark Reader.

Por tais razões, o qutebrowser é o melhor navegador orientado ao teclado, sobretudo para os usuários do editor Vim. Uma vez que é altamente configurável, permite um nível de personalização que vai desde sua parte gráfica até seu modo de operação. Cabe ressaltar a integração com outros aplicativos, como MPV Player. Ainda que encontre algumas restrições, a exemplo da ausência de extensões, o saldo é positivo, pois reduz drasticamente a dependência do mouse, proporcionando uma navegação focada, mais ágil e menos poluída.

Abaixo, uma demonstração em vídeo:


Este foi o primeiro post do “Bem-vindo a FOSS”. Seu nome vem de um jogo de palavras com foz: “sf.1. Ponto onde um rio deságua no mar, em um lago ou em outro rio; DESEMBOCADURA” e F.O.S.S., acrônimo para Free and Open Source Software (em português, numa tradução livre, “Programa Gratuito e de Código Aberto”).

Dessa forma, seu objetivo é dar dicas sobre aplicativos FOSS, visando custo zero para aquisição, liberdade de uso e desprendimento das soluções proprietárias, principalmente daquelas pertencentes às big techs.

tags: #FOSS #OpenSource #BemVindoaFOSS #qutebrowser #MPV #ranger #navegador #browser #Vim

 
Read more...